Virtude, pureza e religiosidade são virtudes de um santo. Sabemos que a santidade tem Deus como fonte e que Sua santidade somente a Ele pertence. Mas, para nossa salvação, Deus nos chama a torna-se santos em todo comportamento e nos diz “Sejam santos, porque Eu Sou Santo.” (IPe 33, 16) e o modelo ideal de santidade que deve-se procurar seguir é a dedicação total a Deus, como jesus fez em Sua vida na terra. Precisamos brilhar como luzeiros no mundo, através de um caráter e modo de vida que sejam motivo de glória para o nome de Deus. O cristão não deve ser conhecido apenas por aquilo que deixou de fazer, mas por tudo aquilo que oferece em sacrifício e por aquilo que faz para Deus e para ajudar o próximo. A pergunta que fica é: Devemos todos ser santos? A resposta, é sim! A finalidade e o sentido da vida só encontram respostas na santidade.

 

[ihc-hide-content ihc_mb_type=”show” ihc_mb_who=”1″ ihc_mb_template=”2″ ]

“Sejam santos, porque Eu Sou Santo.” (I Pe 33, 16)

Aquele que busca a santidade, busca sempre através da caridade, que é “A virtude teologal pela qual amamos a Deus sobre todas as coisas, por si mesmo, e ao próximo como a nós mesmos, por amor a Deus.” (CIC nº 1822).São Pedro nos diz através da Sagrada Escritura “Todas as vossas ações espelhem esta santidade de Deus, já que vós sois, uma raça escolhida, um sacerdócio régio, uma nação santa, um povo adquirido para Deus, a fim de que publiqueis o poder daquele que das trevas vos chamou à sua luz maravilhosa” (1Pe 2,9). Através dos nossos atos caridosos devemos sempre crescer e frutificar, usando nosso dia-a-dia como meio para alcançar a santidade, nos permitindo viver a vida de Cristo e estar sempre em consonância com seus mandamentos.

Para isso, devemos seguir exigências básicas para tornar-se santos como: meditar a palavra de Deus e todos os seus ensinamentos, se aproximar dos sacramentos – de modo especial, a Eucaristia -, praticar o autocontrole tendo em vista a vontade de Deus e as Leis Sagradas, ter comportamentos disciplinados, se dedicar a serviço dos irmãos, exercitar as virtudes e cuidar do corpo e da alma como santo. Como dizia Santa Teresa de Lisieux O Senhor não exige de nós grandes feitos, mas apenas entrega e gratidão. Ele não necessita das nossas obras, mas apenas do nosso amor.”

Todos os cristãos são chamados a plenitude da vida cristã e á santidade, para isso devemos querer nos separar do mundo e do pecado e nos aproximar de Deus. A Sagrada Escritura deixa claro que por meio dos nossos atos seremos sempre mais íntimos de Jesus, mas a maioria das pessoas esquecem de se alimentar espiritualmente e não lutam para tornar suas práticas mais puras; mesmo sabendo que Deus coopera em tudo para o bem de quem Ele ama; esquecendo também que é por esse motivo que Ele nos predestinou a ser a imagem e semelhança de Seu Filho, nos chamando para, futuramente, serem glorificados em Sua Casa.

Pensando em Cristo, pensamos em perfeição e santidade, vemos então que o caminho da perfeição passa pela cruz, assim como o Santo dos santos. Não existe santidade sem mortificação, renúncia e sem combate espiritual, as tentações são evidentes, assim como são citadas na Sagrada Escritura “Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, fornicação, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus.” (Gl 5, 19-21), mas o segredo é não ceder ás artimanhas do inimigo e sempre fortificar-se com os dons do espírito ,que são a caridade, alegria, paz, paciência, bondade, benevolência, fé, mansidão e domínio de si, cientes de que sempre teremos o intermédio de Nossa Senhora para a perseverança na oração e de que tudo isso só é possível através da união com Jesus e nos permitindo se conectar com Sua graça.

Em suma, tendo como pretensão o Céu, não devemos nos moldar de acordo com os padrões que o mundo nos oferece, mas sempre nos transformar e renovar a mente, afim de se tornar capaz de experimentar a perfeita vontade de Deus, tendo sempre em mente que a santidade e a perfeição cristã só tem um limite, que é ser ilimitada. Estejamos preparados, pois Deus chama a todos a terem uma perfeita união com Ele, para assim tornar-se santos, e nos diz “Se alguém quer vir após Mim, negue-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me.” (Mt 16, 24). Viemos do coração de Deus e para perto dele devemos voltar, somente na santidade nos tornamos o que Deus deseja, uma vez que é a vocação universal para um caminho constante na vida espiritual. O sentido da vida é estar junto de Deus pelo nosso amor, pois todo aquele que foi salvo, já é santo.

SE APROFUNDE MAIS!

 

[/ihc-hide-content]

Deixe seu comentário